Basílico - Josimar Melo UOL Blog
UOL Estilo UOL Estilo


Venitucci abre casa boa e barata no Piqueri

Os órfãos da Casa Venitucci -um restaurante em Perdizes que tinha muitas idiossincrasias, mas nenhuma que superasse sua ótima cozinha- podem respirar aliviados. Só precisam respirar fundo para a longa caminhada até o novo ponto onde Vincenzo Venitucci agora oficia.

Numa avenida fora de qualquer referência gastronômica da cidade, na região do Piqueri, ele acaba de abrir uma casa com o longo nome de La Rita all'Osteria dei Venitucci. O lugar está instalado num galpão escuro e simples, mas com uma enorme cozinha aberta e, especialmente, uma culinária séria e cuidadosa, tão erudita quanto era em sua casa anterior, mas com a diferença de que agora tem preços muito amigáveis (o prato mais caro custa R$ 23).

É realmente parecida com uma osteria, no sentido italiano -pratos clássicos, baratos, produzidos pelos donos da casa. Com massas italianas ou caseiras (feitas com trigo duro), há pratos como espaguete ao sugo de tomates frescos, talharim (fresco) à bolonhesa, talharim ao molho de lingüiça toscana, pimentões e creme de leite, espaguete com ragu de frutos do mar (segundo o proprietário, prato típico de sua cidade, Luca), risoto de verduras e lingüiça, nhoque de moranga ao gorgonzola. Como entrada, crostini de fígados de galinha caipira (servidos sobre polenta de sêmola de milho frita).

Ao lado disso, preciosidades hoje difíceis de encontrar como a língua de boi curada no sal, servida com pão coberto por um molho de manjericão e mel; tripas macias e saborosas com uma ponta de canela; e até mesmo rins cozidos com grão-de-bico.

La Rita all'Osteria dei Venitucci
Av. Gen. Edgar Facó, 1.127, Piqueri, tel. 3976-0130.
Seg. a qua.: 11h30 às 16h. Qui. a sáb.: 11h30 às 16h e 19h às 24h. Dom.: 11h30 às 17h30.
CC: D, M e V. T: C e V.
Estacionamento grátis.

Publicado no Guia da Folha de hoje



Escrito por Josimar às 20h13
[ comente ] [ regras ] [ envie esta mensagem ] [ ]



República da Bananeira

A pedidos, reproduzo aqui a crítica publicada na última quinta na Folha Ilustrada, um local que vale a pena visitar.

Bananeira reinterpreta pratos bem brasileiros com um viés moderno

Que bom, mais um bom endereço dedicado à cozinha brasileira, que pelo jeito começa a ganhar o merecido status na cidade. Trata-se do Bananeira, recém-aberto no Morumbi.

Fisicamente o lugar já chama a atenção: uma grande área aberta nas laterais, coberta por um teto de piaçava a seis metros de altura, como uma grande praça indígena. Na lateral, um deque de madeira repousa sobre o jardim de bananeiras; e, dependendo de como você senta, a vista do outro lado da rua é a do bosque de um condomínio. O local foi idealizado pelo chef Maurizio Ganzarolli, 38, em parceria com o empresário Sergio Melaragno, 46, sócio de alguns bares na cidade (como o Chácara Santa Cecília).

Maurizio, que já trabalhou na Itália e passou, entre outras, por casas como o La Tambouille e O Leopolldo, vem nos últimos anos desenvolvendo uma culinária moderna com pratos mais leves e bem trabalhados. No Bananeira ele aplica esses princípios a receitas bem brasileiras, algumas delas reinterpretadas em seus ingredientes e apresentação. Ele mesmo cita como exemplo o cuscuz paulista, que utiliza palmito pupunha in natura (não em conserva) e camarões preparados ao vapor.

O cardápio passeia por várias regiões brasileiras. Um gostoso bolinho de lombinho de porco com castanha-de-caju, bem temperado, é um bom tira-gosto. A tainha, uma posta fina e bem aparada, é preparada em brasa de carvão, como manda a tradição, apesar do risco de ressecar um pouco; a ótima farofa de camarão que a acompanha (além de um vinagrete) é bem úmida, e o camarão, fresco e tenro. A pescada cambucu é feita à moda caiçara, embrulhada em folha de bananeira e assada. A carne-seca desfiada estava salgada; valeu mais pelo baião-de-dois que a complementa.

Entre as outras sugestivas opções, estão o galetinho desossado grelhado no carvão com pamonha de milho verde fresco e um trio de sobremesas de banana (crème brûlée de banana, bananada com banana chips, sorvete de banana com pé-de-moleque e pastel de banana com canela). Há algumas boas cachaças e ainda poucos vinhos.

Bananeira

Avaliação: * (1 estrela)
Endereço: r. Marechal Hastimphilo de Moura, 417, Morumbi, tel. 0/xx/ 11/ 3502-4635
Funcionamento: ter. a qui., das 12h às 15h e das 19h à 0h; sex., das 12h às 15h e das 19h à 1h; sáb., das 12h às 17h e das 19h à 1h; dom., das 12h às 17h e das 19h às 23h
Ambiente: descontraído, arejado, coberto de piaçava e todo aberto nas laterais
Serviço: correto
Vinhos: pode ampliar a oferta
Cartões: D, M, V
Estacionamento: R$ 4
Preços: couvert, R$ 3,90 a R$ 5,90; entradas, R$ 13 a R$ 25; pratos principais, R$ 25 a R$ 45; sobremesas, R$ 6 a R$ 13



Escrito por Josimar às 23h12
[ comente ] [ regras ] [ envie esta mensagem ] [ ]



Josimar Melo é jornalista,
crítico de gastronomia da
Folha de S.Paulo e agitador
cultural nessa área

Neste blog Na Web

Visitas